A importância do monitoramento de paciente na cirurgia: antes, durante e depois

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
A importância do monitoramento em cirurgias

A importância do monitoramento de paciente na cirurgia: antes, durante e depois

Em definição mais ampla, o monitoramento de paciente é o acompanhamento de seus sinais vitais de forma contínua e com um objetivo específico, sendo que essa monitorização pode ser mais ou menos invasiva, assim como ter uma precisão maior ou menor nos dados obtidos. Desta maneira, esses dados são analisados e interpretados para permitir a tomada de decisão sobre a situação apresentada.

Em um procedimento cirúrgico, o monitoramento de paciente é essencial. Passar por uma operação e ficar sob o efeito de anestesia mexem bastante com o funcionamento de diversos sistemas do nosso corpo. Por se tratar de algo tão sensível e complexo, os sinais fisiológicos precisam ser monitorados o tempo todo.

No monitoramento de paciente na cirurgia, são usados diversos instrumentos, aparelhos, sensores e materiais. No entanto, o fator mais importante nessa atividade é a percepção atenta da equipe médica. Os indicadores vão apontar situações, mas a tomada de decisão é humana, e muitas vezes precisa ser rápida.

Vamos apresentar, neste post, como funciona o monitoramento de paciente, o que envolve essa atividade e sua importância na cirurgia.

Etapas do monitoramento de paciente na cirurgia

O acompanhamento das condições de saúde do paciente, não começam na sala de cirurgia. Antes de ir para o hospital, é preciso passar por uma série de avaliações.

As informações podem ser obtidas por dispositivos, anamnese (entrevista), avaliação clínica, exames laboratoriais ou de diagnóstico.

O tipo de monitoramento que será feito depende do procedimento a ser realizado e das condições prévias do paciente.

Em linhas gerais, são essas as possibilidades antes, durante e depois da cirurgia:

  • Pré-operatório: investiga o estado de saúde atual do paciente para confirmar se está apto para realizar o procedimento.
  • Intraoperatório: monitora sinais vitais para tomada rápida de decisão em caso de alguma intercorrência. São usados eletrodos e sensores conectados a aparelhos com monitores que tornam os indicadores visíveis na sala de cirurgia.
  • Pós-operatório: acompanha os resultados obtidos com a operação e o tratamento. Verifica a recuperação do paciente e seu estado geral de saúde.

Objetivos do monitoramento de paciente

O principal objetivo do acompanhamento de indicadores sobre o estado de saúde de quem vai passar por uma cirurgia é tornar mais precisa a decisão médica a respeito da condução do tratamento.

Mas além de ajudar a manter o paciente bem, o levantamento de informações sobre as respostas do organismo durante uma operação é relevante por diversos motivos. Dentre eles, estão:

  • Obter dados fisiológicos de forma contínua;
  • Transmitir esses dados;
  • Armazenar e organizar as informações a partir dos dados;
  • Fazer relações entre elas;
  • Alertar sobre estados clínicos;
  • Embasar decisões;
  • Avaliar gravidade de doenças;
  • Gerar retornos sobre eficácia clínica.

Como é feito o monitoramento de paciente

O monitoramento clínico é baseado na clínica do paciente quando utilizando monitores e equipamento como ultrassom para precisar melhor a obtenção das informações. Mudanças em sinais clínicos podem ser sutis e geralmente antecedem desordens nos parâmetros usados nos aparelhos de monitoramento.

Durante a cirurgia, o monitoramento ganha o reforço de equipamentos. No geral, funcionam da seguinte forma: um único sistema é montado para medir de forma contínua e precisa uma série de parâmetros que refletem diretamente o funcionamento dos sistemas do corpo.

Isso envolve circulação, respiração, nível de profundidade da anestesia, entre outros. Portanto, os principais indicadores para o monitoramento de paciente na cirurgia são:

  • Frequência cardíaca
  • Frequência respiratória
  • Temperatura corporal
  • Pressão arterial
  • Eletrocardiografia
  • Oximetria
  • Capnografia (gás carbônico expirado)

Como é o monitoramento de paciente em UTI

As Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são ambientes de extrema complexidade. Os pacientes que ficam internados estão em situação grave e precisam ser monitorados continuamente e com bastante precisão.

Os pacientes que precisam de monitoramento em UTIs são os que se encontram nas seguintes situações:

  • Necessidade de monitorização dos sinais vitais de maneira contínua
  • Alguma instabilidade de algum dos sistemas do corpo (coração, pulmão, rins, etc)
  • Condições de alto risco de maneira geral
  • Acompanhamento pós operatório de cirurgias de grande porte ou paciente graves

O monitoramento de pacientes é de extrema importância para o acompanhamento dos sinais vitais e para a tomada de decisão a respeito de tratamentos e procedimentos. Esperamos que você tenha gostado desse conteúdo. Em caso de dúvidas, entre em contato ou agende uma consulta.