Cirurgia das amígdalas: como se preparar para o procedimento

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Saiba o que deixa as amígdalas inflamadas, quando é necessário operar e o que fazer para se preparar.

Ter as amígdalas inflamadas pode ser um transtorno para qualquer pessoa, mas principalmente para crianças e adolescentes. Essa desordem afeta mais os pequenos e pode prejudicar a respiração, o sono ou aumentar o risco de infecções no ouvido, entre outras consequências. Vamos explicar porque isso acontece.

As amígdalas são duas estruturas que se localizam nas laterais da garganta, no fundo da boca, e fazem parte do nosso sistema imunológico. São formadas por um tecido semelhante a linfonodos ou gânglios – também conhecidos como ínguas – e têm a função de evitar a passagem de vírus e bactérias para o organismo.

Ficamos com as amígdalas aumentadas por conta de infecções, que podem ser provocadas por vírus ou bactérias. Chamamos de amigdalite. As crianças são mais afetadas, pois o sistema imunológico ainda não está maduro o suficiente.

Quando o tratamento convencional não dá resultados, ou se a amigdalite é recorrente (ocorre mais de 3 vezes no ano, por exemplo), pode ser recomendada a cirurgia de remoção das amígdalas. Veja em que casos ela é indicada e como se preparar.

O que causa amígdalas inflamadas

As amígdalas inflamadas estão relacionadas a infecções de garganta, alergias ou outros fatores que irritam a garganta, como refluxo gastroesofágico. A amigdalite é uma condição bastante comum, especialmente no inverno, quando há maior aglomeração de pessoas em ambientes fechados. O ar mais seco favorece a entrada dos germes pelas vias aéreas.

Os vírus ou bactérias são transmitidos por gotículas da tosse ou espirro e pelo compartilhamento de objetos, como copos e talheres. Manter as mãos limpas é uma importante forma de evitar o contágio.

Os sintomas para a amígdala aumentada são: febre, mau hálito (devido ao pus), dor de garganta, dificuldade de engolir, dor de ouvido, entre outros.

Os tipos de amigdalite são divididos em:

  • Virais: mais comuns em crianças, deixam as amígdalas inflamadas e avermelhadas. São tratadas com medicação e cuidados simples.
  • Bacterianas: afetam mais os adolescentes e adultos, que ficam com a garganta vermelha, úvula inchada, pontos amarelados de pus e saburra na língua. São tratadas com antibióticos.

Quando é indicada a cirurgia e como é feita

Entre as principais indicações para a cirurgia das amígdalas, estão:

  • Dificuldades para dormir e desordens, como a apneia do sono;
  • Problemas para respirar ou até conversar;
  • Infecções recorrentes da garganta.

O procedimento da cirurgia das amígdalas, chamado amigdalectomia, é simples.

  • É ambulatorial e o paciente fica internado por apenas algumas horas.
  • Precisa de anestesia geral.
  • Dura entre 30 minutos a 1 hora.
  • Geralmente, o paciente tem alta no mesmo dia.
  • A recuperação leva entre 7 a 15 dias.

Como preparar as crianças para a cirurgia das amígdalas

Um procedimento cirúrgico pode assustar as crianças. A melhor forma de tranquilizá-las é ser franco e explicar o que será realizado de uma forma que os pequenos entendam. Veja algumas dicas:

  • Converse com a criança sobre seus sentimentos e ofereça apoio e segurança;
  • Reforce a ideia de que o procedimento vai fazer com que ela se sinta melhor;
  • Esteja presente com a criança o máximo possível antes e após a cirurgia;
  • Avise que é normal ter uma dor de garganta após a cirurgia, e que os remédios vão ajudá-la a evitar esse incômodo;
  • Se a criança tiver algum amigo que tenha passado por isso, vale estimular uma conversa entre eles.

É importante que os pais também se mantenham tranquilos para passar confiança para a criança.

Como os pais ou responsáveis podem se preparar para a cirurgia das amídalas da criança

Além de preparar a criança para o procedimento, os pais ou responsáveis podem se planejar para cuidarem do paciente em casa, com todo o cuidado e carinho.

  • Esteja disponível: organize-se com suas atividades para que você possa levar a criança ao centro cirúrgico e aguardar até que ela esteja pronta para ir embora. Se possível, pegue uma licença do trabalho por uma semana para cuidar do seu pequeno paciente em casa. Não planeje nada importante antes de se completarem duas semanas após a cirurgia, como uma viagem de férias, por exemplo.
  • Planeje a alimentação pós-cirurgia: a criança vai precisar ingerir muitos líquidos e alimentos frios ou gelados nos primeiros dias após a operação. Evite itens gordurosos ou leite até 48 horas após o procedimento.
  • Siga todas as recomendações médicas: faça a avaliação pré-anestésica e siga as orientações corretas do anestesista. É recomendável fazer jejum, que vai ser determinado pelo anestesista, mas em geral, segue a seguinte regra: 8 horas para comidas e sólidos, 3 horas para água ou chá. No caso dos bebês, são 4 horas de jejum para leite materno e 6 horas para leite de fórmula.

O que devo ficar atento após a cirurgia das amígdalas?

Uma vez em casa, a recuperação exige repouso e cuidados. Algumas reações são normais, mas outras exigem atenção médica. Veja o que é preciso ficar de olho:

  • Desidratação: evite esse risco, é muito importante que a criança tome muitos líquidos para se recuperar bem.
  • Constipação: devido à medicação, é normal as crianças ficarem com o intestino preso. Ofereça alimentos com fibras, mas que sejam fáceis de digerir.
  • Sangramento: um pequeno sangramento pós-operatório é normal, mas caso seja excessivo, procure ajuda médica.

Gostou das informações? Esperamos ter tirado suas principais dúvidas sobre a cirurgia para remoção das amígdalas inflamadas. Quer saber mais? Entre em contato com a gente.

anestesistas joinville