(47) 3433-1666
(47) 99772 5095

Anestesia, nem sempre significa que você irá dormir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
anestesia nem sempre você vai dormir

Você sabia que  em alguns procedimentos os pacientes permanecem acordados mesmo depois de terem sido submetidos a anestesia? A anestesia não fornece somente amnésia e inconsciência, ela também tem outras funções como imobilidade e analgesia. São situações especiais e a função do anestesiologista é que o procedimento ocorra de forma confortável, segura e tranquila. Se você se interessou pelo assunto e quer saber um pouco mais sobre, continue lendo o artigo sobre as diferentes técnicas.

Função da anestesia

A anestesia permite a realização de procedimentos cirúrgicos, diagnósticos  e intervencionistas.  Produz analgesia, ansiólise/inconsciência, amnésia e relaxamento muscular adequado.

Foi aproximadamente em 1800 que as substâncias anestésicas foram descobertas. Desde lá foram desenvolvidas diversas substâncias e técnicas, que objetivam dar conforto e segurança para o paciente  e para o ato anestésico.

Confira algumas técnicas e para que servem!

Anestesia local:

Técnica que utiliza anestésicos locais. Em geral, utilizados para pequenos procedimentos. Os anestésicos locais podem ser administrados de forma tópica ( creme, gel, spray) ou de injetável. A administração do anestésico local não causa sonolência, entretanto impede a transmissão do impulso doloroso, permitindo a realização do procedimento. Biópsia de pele ou mama, retirada de lesões de pele, algumas cirurgias de olhos, são exemplos de procedimentos que podem ser realizados com essa técnica.

Anestesia regional:

Essa técnica bloqueia a sensibilidade térmica, tátil e dolorosa, além de gerar imobilidade em uma área/ região específica  como braço, perna ou metade inferior do corpo. Esta técnica também não gera sonolência. Em diversos procedimentos é comum associar sedação ou anestesia geral para que o paciente durma. Entre as anestesias regionais as mais comuns são  a espinhal (raqui), peridural e os bloqueios periféricos.

O bloqueio espinhal é realizado  por uma punção com uma agulha bastante fina na região lombar, através da administração de anestésico local e outras substâncias. Ele bloqueia a transmissão dos impulsos dolorosos. Pode ser usado para cirurgias feitas em membros inferiores ou de região abdominal (como na cesárea, por exemplo). 

A peridural também é realizada através da punção na coluna, entretanto pode ser realizada em coluna lombar e torácica, garantindo analgesia para diversas partes do corpo. Algumas mulheres recebem uma peridural como analgesia para o parto normal. Em cirurgias plásticas esta técnica também é comumente utilizada.

 Os bloqueios periféricos são técnicas modernas de anestesia, muitas vezes guiadas por ultrassom. São realizadas para algumas cirurgias ortopédicas e como adjuvantes analgésicos em alguns procedimentos.

Anestesia Geral:

Esta técnica oferece amnésia, inconsciência, analgesia e imobilidade para que o paciente não possa sentir, ver ou ouvir nada durante a cirurgia. Alguns dos medicamentos são administrados por via intravenosa, outros são gases que você respira. 

O paciente também recebe dispositivos que auxiliam na respiração durante o procedimento. Entre estes dispositivos, o mais comum é o tubo traqueal. Ele é em geral inserido após o paciente estar dormindo, de forma segura, indolor e confortável. Ao final do procedimento, ele é retirado.

Esta anestesia, além de induzir ao sono, promove o relaxamento muscular, dando mais conforto ao paciente e ao cirurgião durante a cirurgia.

Uma dúvida frequente, nesses casos, é se é possível acordar durante a anestesia. Este evento é denominado despertar intra-operatório. É muito raro e sua incidência é descrita na literatura como menos de 1 paciente para 15.000 operações. Seu anestesista ajusta constantemente os medicamentos para evitar que você acorde. 

Como escolher a anestesia para cada momento?

Os fatores que afetam a seleção de técnicas anestésicas apropriadas para um paciente incluem: requisitos cirúrgicos (técnica cirúrgica, posicionamento, preferência do cirurgião), duração prevista, estado de saúde do paciente e preferências do mesmo. Além disso, também, considera-se a  analgesia pós-operatória e o período de internação.

Para procedimentos maiores ou prolongados, cirurgias de craniofaciais, de sistema nervoso e videolaparoscópicas (as cirurgias por vídeo) opta-se pela anestesia geral.

Procedimentos de curta duração e em geral de baixo potencial álgico para o pós operatório são realizados com infiltração local.

A anestesia regional é aplicada para procedimentos das extremidades do corpo e cirurgias abdominais. Em geral, sedativos são administrados conjuntamente com esta técnica, para que o paciente fique mais confortável e relaxado durante o procedimento.

O objetivo final da escolha da técnica anestésica é garantir a realização do procedimento cirúrgico, de forma segura, tranquila e confortável para o paciente. Em geral, a escolha é feita na avaliação pré-anestésica, que deve ser realizada por todos os pacientes que serão submetidos a alguma anestesia.

Na consulta pré-anestésica o paciente é avaliado quanto as suas doenças associadas, estado de saúde, uso de substâncias, alergias e se necessário são analisados exames complementares. É o momento de esclarecer dúvidas e definir a técnica anestésica.

Vai fazer algum procedimento sob uso de anestesia? No SAJ, você encontra diversos anestesiologistas renomados para atender a sua cirurgia. Entre em contato e converse com a equipe médica.