(47) 3433-1666
(47) 99772 5095

Anestesia, posso ter efeitos colaterais?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Anestesia, posso ter efeitos colaterais?

A anestesia é um procedimento fundamental para que os pacientes passem por cirurgias sem dor e com o máximo de conforto possível. No entanto, assim comoacontece com qualquer tipo de remédio, as medicações usadas na anestesia também podem causar efeitos colaterais. Ou seja, nenhum paciente está imune aos efeitos da medicação.

Um procedimento que exige anestesia será realizado com toda segurança que o paciente precisa. Nesse momento, ele não sentirá nenhuma dor ou mal estar, mas no pós-operatório, o paciente pode sentir algum tipo de desconforto.

Continue lendo este artigo e entenda melhor sobre os efeitos colaterais mais comuns  causados pela anestesia.

Saiba mais sobre cada tipo de anestesia e seus efeitos colaterais

A maioria das anestesias têm seu efeito minimizado depois de um determinado tempo. Assim que o paciente passa pelo procedimento cirúrgico, em geral, poucos minutos depois o paciente já está consciente novamente. Dependendo do procedimento, pode até voltar às suas atividades normais. 

Porém, há casos em que, depois de acordar, o paciente pode sentir alguns efeitos colaterais. Esses efeitos podem variar de acordo com o procedimento, de acordo com o paciente e o tipo de anestesia administrada. A seguir, você vai ver quais são os efeitos colaterais mais comuns de acordo com o tipo de anestesia. Confira!

Anestesia geral 

A anestesia geral é um procedimento realizado para sedar o paciente profundamente. É necessária para impedir que o paciente sinta algum desconforto ou dor durante a cirurgia. Os medicamentos deixam o paciente inconsciente, promovem o relaxamento muscular, causam amnésia e insensibilidade à dor. Com isso, o paciente passa pelo procedimento e quando acorda não se lembra de nada. 

A aplicação pode acontecer de algumas formas, por meio de injeção na veia, que tem um efeito imediato, ou por meio de uma máscara de gás. O paciente inala o gás, que chega na circulação sanguínea após ser inalado pelos pulmões. Esse procedimento demora um pouco mais do que o injetável para surtir efeito.

A anestesia geral tem duração variável e depende do tempo da cirurgia. A duração da anestesia é definida pelo médico anestesista, que determina a quantidade do medicamento a ser utilizado. 

Efeitos colaterais da anestesia geral

Os efeitos colaterais mais comuns são enjoo, vômito e alergia ao medicamento. Em casos mais graves, o paciente pode ter uma parada respiratória, cardíaca ou ficar com sequelas neurológicas. Há também casos raríssimos em que a pessoa não consegue se mover, porém continua consciente, se chama “consciência perioperatória” e, devido ao avanço da medicina, temos cada vez mais recursos para evitar que isto aconteça.

Anestesia local

É aplicada em uma área específica do corpo e não interfere na consciência do paciente. Em geral, é usada em cirurgias menores, como procedimentos dentários, nos olhos, nariz ou lesões na pele.

Esse tipo de anestesia pode ser aplicada por meio de creme ou spray anestésico na região em que o procedimento será realizado. Ou ainda, por meio de uma injeção anestésica local.

Efeitos colaterais da anestesia local 

Doses elevadas do medicamento anestésico podem ter efeitos tóxicos, que afetam o coração e a respiração ou comprometem as funções do cérebro.

Anestesia regional

Esse tipo de anestesia é utilizada para anestesiar uma parte específica do corpo, como a perna, o braço etc., e pode ser dividida em alguns tipos:

  • Anestesia raquidiana: provoca a perda de sensibilidade dos membros inferiores e da zona inferior do abdômen. 
  • Anestesia peridural: também bloqueia a dor da mesma forma que a raquidiana, porém não tem contato direto com o líquor. Geralmente, é aplicada da cintura para baixo, mas também pode ser aplicada na região do tórax.
  • Bloqueio dos nervos periféricos: com essa anestesia, os grupos de nervos, que causam dor são bloqueados. 
  • Anestesia regional intravenosa: o anestésico é injetado na veia, anestesiando somente uma parte do corpo. Geralmente utilizada para cirurgias na mão. 

A anestesia regional é utilizada em procedimentos cirúrgicos simples ou em cirurgias pequenas. 

Efeitos colaterais da anestesia regional

O paciente pode sofrer com infecção no local da injeção, toxicidade sistêmica, problemas cardíacos ou pulmonares, calafrios e febre. A raquianestesia pode ter um efeito colateral específico, chamado cefaléia pós-raquianestesia, que pode ocorrer, nas primeiras 24 horas ou em até 5 dias após a cirurgia.

Quando isso acontece, o paciente sente dor de cabeça quando está sentado ou em pé, mas a dor melhora depois que o paciente deita. Além disso, a dor pode ser associada com outros sintomas, como náuseas, visão duplicada ou ter a audição prejudicada. Na maioria dos casos a cefaléia desaparece sozinha em até uma semana, mas pode ser necessário seguir um tratamento específico, indicado pelo médico anestesiologista.

Sedeção 

Esse tipo de anestesia, intravenosa, é associada à anestesia regional ou local para proporcionar ainda mais conforto ao paciente. Existem alguns níveis de sedação, como a leve, em que a pessoa relaxa, mas permanece acordada, a moderada, em que a pessoa dorme durante o procedimento e pode acordar facilmente e a profunda. Nesse último caso, o paciente dorme durante o procedimento e não lembra de nada depois que recebe a anestesia. 

Efeitos colaterais da sedação

O paciente pode apresentar reações alérgicas, ter dificuldade para respirar, ter o ritmo cardíaco alterado, sentir enjoo, apresentar vômito, delírio e infecção na área da injeção.


Quer tirar outras dúvidas sobre anestesia? Converse com nossos especialistas