(47) 3433-1666
(47) 99772 5095

Que remédios posso tomar antes de uma cirurgia?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Que remédios posso tomar antes de uma cirurgia?

A anestesia é um procedimento seguro desde que todas as precauções e indicações médicas sejam seguidas. Por isso, o paciente passa por uma avaliação com um médico anestesiologista. Esse profissional vai avaliar o paciente e verificar como estão suas condições físicas para receber a anestesia.

Durante essa conversa, é fundamental que o paciente seja transparente e apresente os exames solicitados, que vão revelar seu histórico clínico. Além disso, os pacientes que fazem uso contínuo de medicamentos devem informar há quanto tempo, quais os tipos de medicamento e com qual objetivo. Dessa forma, o anestesiologista vai avaliar se é possível manter a prescrição ou se alguma orientação específica será necessária.

Neste artigo, você vai entender mais sobre os remédios que o paciente pode tomar antes da cirurgia. Continue com a leitura e confira!

Por que fazer uma avaliação medicamentosa?

Antes de qualquer procedimento cirúrgico, em que o paciente vai receber uma anestesia, é preciso fazer uma avaliação. Essa avaliação vai orientar o profissional sobre a necessidade de uma reconciliação medicamentosa. No processo, são obtidas e avaliadas todas as informações sobre a lista de medicamentos que o paciente usa.

O paciente deve fornecer informações completas, principalmente sobre o uso de medicamentos para o controle de doenças, como para hipertensão, diabetes e até mesmo anticoncepcionais.

A avaliação pode envolver médicos, farmacêuticos e enfermeiros, que estão no cuidado ao paciente.

A partir dessas informações, o médico poderá orientar o paciente sobre os remédios que ele poderá ou não fazer uso antes da cirurgia, no período da internação e depois que receber alta. Veja aqui como se preparar para uma cirurgia.

Reconciliação medicamentosa: como é feita?

A reconciliação medicamentosa será necessária sempre que o paciente tiver que substituir os medicamentos que utiliza.

Nesse caso, o médico, depois de entender a necessidade daquele medicamento, vai indicar outra opção ou orientar o paciente a suspender o uso.

A equipe profissional também vai avaliar a necessidade de manter os medicamentos após a cirurgia. Tanto daqueles que já estavam em uso antes da internação, quanto daqueles que começaram a ser usados no período da cirurgia.

O papel do anestesiologista será fundamental em toda a avaliação para garantir a comunicação com a equipe multiprofissional, para que a continuidade da administração seja garantida após a internação.

Nessa etapa, o comprometimento e sinceridade do paciente também é fundamental. As informações fornecidas pelo paciente ajudam a tornar a avaliação mais completa e segura.

Quais medicamentos o paciente não pode tomar antes da cirurgia?

A indicação ou não de uso de um medicamento é uma questão particular, feita de acordo com as condições físicas e de saúde de cada paciente e também de acordo com o tipo de cirurgia que será realizada. Por isso, não há uma fórmula a ser seguida e a prescrição médica deve ser feita pelo profissional que está atendendo o paciente. No entanto, alguns medicamentos são contraindicados para o uso de pacientes que vão fazer uma cirurgia. Veja quais são!

  • Antiagregantes plaquetários

Ácido acetilsalicílico, clopidogrel, ticagrelor, cilostazol e ticlopidina são exemplos de antiagregantes plaquetários. Esses medicamentos são popularmente conhecidos por serem usados para “afinar o sangue” e podem ou não serem suspensos entre 5 e 7 diasantes da cirurgia, ou de acordo com a orientação médica.

  • Anticoagulantes

Existem alguns tipos de coagulantes que devem ser suspensos e outros que podem continuar em uso dependendo do tipo de cirurgia. Procedimentos mais simples como: dermatológicos, dentários, endoscopias e cirurgias de catarata, em geral, não exigem a suspensão dos novos anticoagulantes. Já as cirurgias de grande porte e mais complexas exigem a suspensão de 3 a 4 dias antes da cirurgia. O anestesista fará uma avaliação de acordo com o perfil do paciente.

  • Anti-inflamatórios não esteroides

Os anti-inflamatórios não esteroides, de curta duração, podem ser usados até um dia antes da cirurgia. Enquanto os de longa duração, devem ser interrompidos dentro de 48 a 96 horas antes do procedimento ou até 10 dias antes, a depender do medicamento e do tipo de cirurgia.

Controle de diabetes e/ou obesidade

Esses medicamentos orais devem ser suspensos apenas no dia da cirurgia. Se a pessoa já usa insulina, ela deve ser mantida. O médico fará a redução da dose da insulina de longa duração para diminuir o risco de hipoglicemia no momento da cirurgia.

Victoza, Saxenda, Ozempic, Trulicity, são nomes de medicações usadas para controle da diabetes e que podem auxiliar no controle do peso. O uso dessas medicações deve ser interrompido em tempo hábil a fim de esvaziar completamente o estômago. O tempo pode variar entre 48h à 10 dias.

Controle de colesterol

Os medicamentos para controle de colesterol devem ser mantidos até o dia da cirurgia. Alguns tipos podem ser usados durante a cirurgia e internação, pois ajudam a evitar a formação de coágulos e ajudam a reduzir a inflamação.

Controle de doenças reumatológicas

Alguns medicamentos, como aqueles utilizados para o controle de doenças como gota ou artrite deverão ser avaliados caso a caso. Corticoides de uso prolongado e/ ou de doses elevadas deverão ser ajustados em casos de cirurgias mais complexas. No caso de uso de imunossupressores ou imunobiológicos deverá ser avaliado a atividade da doença e planejar o tempo de suspensão e retomada das medicações.

Além desses medicamentos, os diuréticos, fitoterápicos, ansiolíticos e outros podem causar algum tipo de efeito colateral durante uma cirurgia, por isso é de extrema importância que o paciente sempre informe ao médico se está fazendo uso de algum tipo de remédio. As informações serão avaliadas pelo médico anestesiologista que estiver acompanhando o paciente. 

Quer fazer uma avaliação com um profissional especializado? Consulte os médicos do SAJ