(47) 3433-1666
(47) 99772 5095

Obesidade e anestesia: preciso me preocupar?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Obesidade e anestesia - Anestesistas de Joinville

Obesidade e anestesia são combinações preocupantes e que exigem cuidados. Os pacientes obesos que precisam passar por algum procedimento com anestesia devem ser acompanhados previamente.

Isso vai minimizar os riscos durante a aplicação do sedativo e as chances do desenvolvimento de sequelas no pós-operatório.

A orientação pré-operatória é fundamental para a segurança e tranquilidade do paciente. Neste artigo, você vai entender sobre os riscos da combinação entre obesidade e anestesia e o que precisa ser feito para minimizá-los. Continue com a leitura a seguir e confira!

Obesidade e anestesia: quais são os riscos para o paciente

A obesidade é uma doença que atinge milhões de pessoas do mundo inteiro. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a obesidade é um dos problemas mais graves que a sociedade precisa enfrentar. A organização estima que em 2025, mais de 2 bilhões de adultos em todo o mundo estarão acima do peso, sendo que 700 milhões serão considerados obesos. 

Nos últimos 13 anos, a doença crônica aumentou 67,8% no Brasil. Com tantas pessoas obesas, é de se esperar que em algum momento da vida um desses indivíduos passe por um procedimento que seja necessário usar uma anestesia e isso causa preocupação no médico e no paciente. 

A obesidade, por ser uma doença, é um fator de risco para o paciente e pode prejudicar a recuperação em cirurgias. No caso da cirurgia com anestesia, o paciente pode ser exposto a alguns riscos. 

Risco para o sistema respiratório

Pacientes obesos costumam ter mais dificuldade para respirar, sofrendo com apnéia do sono obstrutiva e outros problemas respiratórios, como a obstrução da via aérea. Em um procedimento com anestesia, o paciente deve ter plenas condições de conseguir respirar profundamente. Ou seja, deve ter a garantia de uma boa ventilação e oxigenação enquanto estiver sob anestesia.

Além disso, pacientes obesos costumam ter espaço pequeno na parte de trás da região da garganta. Isso dificulta a intubação, que ajuda na respiração e ventilação durante a cirurgia. Não sendo possível a intubação, no momento em que o paciente está apresentando problemas respiratórios, o quadro clínico pode se agravar.

Outro risco relacionado com o sistema respiratório está relacionado com as infecções de pulmão e complicações no órgão após a anestesia.

Riscos para o sistema cardiovascular

O coração de um paciente obeso está sempre sob pressão. Os riscos de um ataque cardíaco, infarto, hipertensão, falta de oxigenação e outros problemas são muito maiores em pessoas que estão acima do peso. Um procedimento com anestesia pode provocar a manifestação dessas reações.

Depois da indução da anestesia, o coração pode sofrer um aumento da pressão sanguínea ou aceleração dos batimentos cardíacos, durante o procedimento cirúrgico, colocando em risco a vida do paciente.

Como prevenir os riscos da anestesia em pacientes obesos?

Os riscos da anestesia em pacientes obesos podem ser evitados ou minimizados com a adoção de algumas medidas. Dependendo do caso, o médico vai orientar o paciente a perder peso antes da cirurgia. Alguns hábitos, como exercícios regulares e alimentação saudável ajudam a eliminar o peso necessário para ter um procedimento mais seguro.

A anestesia local ou a intubação com o paciente acordado são opções adotadas por médicos que identificam um quadro de risco alto para o paciente. Além disso, o paciente também deve fazer jejum de no mínimo 12 horas, antes da cirurgia, para evitar a pneumonia por aspiração, uma complicação comum nos pulmões de pessoas obesas, e fazer uso de medicamentos específicos, indicados pelo médico.

Antes de agendar o procedimento anestésico, o médico vai fazer um acompanhamento do quadro clínico do paciente, avaliando suas condições físicas, indicando medicamentos para o controle de hipertensão, controlando seus índices glicêmicos e observando como seu organismo se comporta até a data da cirurgia. 

Possivelmente, o médico vai envolver outros profissionais, como um nutricionista ou educador esportivo para acompanhar as atividades físicas e alimentares do paciente, garantindo que ele está cultivando e mantendo uma rotina mais saudável.

Quer saber mais sobre esse assunto? Aprenda mais sobre os tipos de anestesias ou converse com o nosso time de anestesistas.